Banner Central


A Congregação do Oratório

A benemérita presença da Congregação do Oratório no Brasil se compõe de dois períodos. O primeiro se estende de meados do século XVII até a primeira parte do século XIX, quando foi extinta em 1830. Deixando, portanto, de existir uma Congregação de língua portuguesa no mundo.

Nestes primórdios, foram os padres oratorianos dedicados apóstolos em vários aldeamentos indígenas em Pernambuco e Ceará. Chegando até a erigir uma casa em Salvador, nosso primeiro bispado. Todavia, deve-se reconhecer a presença do Oratório de São Filipe Neri em terras de Santa Cruz, sobretudo, através da Congregação que se instalou na capital de Pernambuco, cujo belíssimo templo até hoje se encontra edificado, a célebre igreja da Madre de Deus.

Os primeiros padres oratorianos “foram educadores notáveis, tendo ministrado tanto o ensino secundário como o superior e, como promotores da cultura, podiam se gloriar de possuir a melhor biblioteca de Pernambuco colonial”.

Cumpre-se dizer que os oratórios lusófonos nasceram concomitantemente em Portugal e no Brasil, sendo o Oratório lisboense e seu fundador, Pe. Bartolomeu de Quental, a obra prima de todas as Congregações espalhadas pelo abrangente domínio português. Já, aqui no Brasil, coube ao venerável Pe. João Duarte do Sacramento a grande missão de ser o seu primeiro prepósito.

O segundo momento da Congregação do Oratório no Brasil é bastante recente. Desde a extinção dos padres oratorianos em 1830, até 1957 não tivemos a presença de um filho de São Filipe Neri entre nós.

A Divina Providência escolheu então o reverendíssimo Pe. Aldo Giuseppe Maschi, do Oratório de Verona para tão alta empresa. Ele foi o primeiro pároco da Paróquia São Filipe Neri, criada em 11 de fevereiro de 1958.

Somente após 40 anos da sua presença é que Pe. Aldo conseguiu reunir as condições necessárias para a ereção canônica da Congregação do Oratório, que se deu aos 25 de março de 1996, quando, então, passou a ser a única casa de língua portuguesa em todo o orbe.

Correspondendo ao amor que São Filipe Neri tinha a Santa Igreja e ao Santo Sacrifício, os padres oratorianos nunca deixaram de celebrar a Santa Missa em sua forma tradicional. Eis porque, no Parque São Lucas, é celebrada, ininterruptamente desde a sua vigência, a Santa Missa de acordo com as orientações prescritas no Motu proprio, Summorum Pontificum.


Lima, Ebion de. A Congregação do Oratório no Brasil. Rio de Janeiro, 1980, p. 1.